Como calcular o período fértil? » Instituto Afeto

Como calcular o período fértil?

Calcular o período fértil é um recurso importante para engravidar. É somente nessa fase que ocorre a maturação do folículo que se desenvolveu e a liberação do óvulo, captado pelas tubas uterinas, portanto é nesse período do ciclo menstrual que pode ocorrer a fecundação do óvulo pelo espermatozoide.

Uma das formas de aumentar as possibilidades de concepção é a prática sexual com maior intensidade durante o período fértil. Para isso, no entanto, é importante saber o início e término dele.

O cálculo pode ser feito com bastante precisão, principalmente quando o ciclo menstrual é regular. Por exemplo, quando tem duração de 28 dias e sempre acontece nesse intervalo ou pode ser mais curto ou longo, porém com a mesma variação ou pouca variação.

Entenda, neste texto, como o período fértil é calculado. Ele explica as principais fases do ciclo menstrual e aborda as irregularidades que podem afetar a fertilidade feminina.

Fases do ciclo menstrual e cálculo do período fértil

Embora os ciclos regulares tenham duração média de 28 dias, quando o intervalo é entre 21 e 35 dias, a ovulação ocorre, da mesma forma, normalmente. O ciclo menstrual acontece em três fases: folicular, ovulatória e lútea.

Fase folicular

Essa fase começa no primeiro dia de menstruação e termina aproximadamente no 13º dia do ciclo, em ciclos de 28 dias, por exemplo. Nessa fase, o hormônio folículo-estimulante (FSH) estimula o recrutamento dos folículos, estruturas que armazenam os óvulos e se assemelham a bolsas com líquido.

Porém, somente um desses folículos ovula, ou seja, se desenvolve, amadurece e rompe para liberar o óvulo – chamado folículo dominante.

Na fase folicular, também há o espessamento do endométrio pela ação do estradiol: processo importante para implantação do embrião e desenvolvimento da gestação. Se o espessamento não ocorrer de maneira adequada, pode haver falhas de implantação e a mulher não conseguir engravidar, mesmo se estiver mantendo relações sexuais no período fértil.

Fase ovulatória

A fase ovulatória, a mais curta das três, ocorre no 14º dia (entre o 13° e o 15° em um ciclo regular de 28 dias), quando se deflagra a ovulação. Ela dura entre 24 e 36 horas, e é somente nesse curto intervalo que pode acontecer a fecundação.

O óvulo é liberado pelo ovário, capturado pela tuba uterina e segue em direção ao útero. Nesse percurso, ele pode ser fecundado ou não. Caso seja, o embrião tenta se fixar no endométrio. Caso não haja fecundação, ele é eliminado com a menstruação.

Fase Lútea

A fase lútea tem início após a ovulação e se estende até o fim do ciclo menstrual. É a fase com o período mais fixo: 14 dias. O que geralmente varia em extensão são as outras fases.

Nela, o folículo que liberou o óvulo se transforma em corpo-lúteo, também chamado corpo-amarelo, cuja principal função é a produção de progesterona. Esse hormônio atua com o estradiol para finalizar o processo de espessamento e modificação do endométrio, que recebe o embrião e o mantém até a formação da placenta.

Se a fecundação não ocorrer, o endométrio descama, iniciando um novo ciclo.

Entenda como o período fértil é calculado

Com base no funcionamento do ciclo menstrual, o primeiro passo para calcular o período fértil é estimar a data da próxima menstruação. Por exemplo, em ciclos de 28 dias, se ela ocorreu em 20 de setembro, no próximo mês deve ser no dia 17. Então é só subtrair 14 dias dessa data (no exemplo, 17), definindo o mais provável para a ovulação. Nesse caso, 3 de outubro.

No entanto, os espermatozoides podem sobreviver por mais tempo nas tubas uterinas, assim, é importante considerar um intervalo entre 3 e 4 dias antes da data prevista para ovulação.

Ou seja, o período localizado entre o dia 29 de setembro e o dia 4 de outubro, proporciona maiores chances de fecundação, por isso, a relação sexual nesse intervalo deve ser intensificada.

Ciclos irregulares, por outro lado, se mantêm continuamente fora do normal, com menor ou maior quantidade de fluxo, e geralmente são provocados por alterações nos níveis hormonais.

Irregularidades que podem afetar a fertilidade feminina

Existem muitas condições que podem afetar a fertilidade feminina de modo geral. As irregularidades do ciclo menstrual, principalmente as ovulatórias, são algumas delas. As disfunções na ovulação são causas comuns de infertilidade feminina.

Têm como principal característica dificuldades no desenvolvimento e maturação dos folículos ou falhas na liberação do óvulo, levando à ovulação intermitente (oligovulação) ou ausência de ovulação (anovulação).

Porém, ainda que levem à infertilidade, disfunções ovulatórias podem ser tratadas pela estimulação ovariana, procedimento realizado em todas as técnicas de reprodução assistida para estimular o desenvolvimento de pelo menos um folículo.

Na FIV, técnica de alta complexidade, o número é mais elevado (objetiva-se 8 a 10 óvulos), enquanto nas técnicas de baixa complexidade – inseminação artificial e relação sexual programada ou coito programado – o objetivo é ter de 1 a 3 folículos para evitar gestação múltipla.