Como descobrir se sou infértil » Instituto Afeto

Como descobrir se sou infértil

Os problemas de fertilidade afetam milhares de pessoas no mundo todo. A infertilidade é, inclusive, considerada uma situação de saúde pública mundial pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Fatores masculinos ou femininos em igual proporção podem provocar a infertilidade de um casal, assim como ela pode ser causada por fatores que não podem ser identificados. Nesse caso, é classificada como infertilidade sem causa aparente (ISCA).

Definida como a tentativa malsucedida de engravidar após um ano de relações sexuais desprotegidas, apesar da alta frequência, tem tratamento na maioria dos casos. Atualmente, é realizado principalmente pelas técnicas de reprodução assistida.

Este texto apresenta a infertilidade, os sintomas, as causas, os métodos diagnósticos e o funcionamento das principais técnicas de reprodução assistida.

Os principais sintomas de infertilidade

Ainda que a principal indicação de infertilidade seja a tentativa malsucedida para engravidar, alguns sintomas provocados por condições que podem levar a alterações na capacidade reprodutiva contribuem para alertar sobre o problema.

Nas mulheres, a infertilidade também é sinalizada quando há abortos de repetição: duas ou mais perdas de gestações clinicamente comprovadas.

Além disso, sintomas de irregularidades menstruais, caracterizadas por ciclos continuamente fora dos intervalos normais, com maior ou menor quantidade de fluxo, sangramento entre os períodos, ausência de menstruação e cólicas de maior severidade, estão entre os mais comuns que alertam para o problema.

Outras manifestações femininas incluem crescimento de pelos escuros em locais como a face ou mamas, alterações na pele, queda de cabelo, ganho de peso repentino, dor durante as relações sexuais ou a diminuição do desejo sexual.

Embora a infertilidade masculina seja assintomática na maioria dos casos, alguns sintomas também podem ser indicativos. Entre eles estão os relacionados à função sexual, como disfunção erétil, dificuldades para ejacular ou ejaculação em pequenos volumes. Dor, inchaço ou presença de nódulos nos testículos, diminuição dos pelos faciais e corporais e infecções respiratórias que ocorrem de forma recorrente podem, da mesma forma, sugerir alterações na fertilidade.

A manifestação de dois ou mais sintomas, assim como a ocorrência em associação, indicam a necessidade de procurar auxílio médico.

Quais são as causas de infertilidade?

A infertilidade pode resultar de diferentes condições. Veja abaixo as principais:

Causas de infertilidade feminina

Disfunção da ovulação: problemas de ovulação geralmente resultam de irregularidades menstruais, são considerados a causa mais comum de infertilidade feminina e têm como característica dificuldades para o desenvolvimento e maturação do folículo ou falha em liberar o óvulo, levando à ausência de ovulação. Irregularidades menstruais, por sua vez, são provocadas por alterações nos níveis hormonais, motivados por diferentes condições, entre elas a síndrome dos ovários policísticos (SOP).

Obstruções nas tubas uterinas: obstruções nas tubas uterinas também são consideradas uma causa bastante comum e podem resultar de processos inflamatórios ou de aderências provocadas pelo tecido ectópico característico de endometriose.

Anormalidades uterinas: anormalidades uterinas podem ser congênitas ou adquiridas, provocadas por condições como miomas uterinos, pólipos endometriais ou endometriose, por exemplo, ou por tecido cicatricial resultante de cirurgias.

Processos inflamatórios: inflamações, como a doença inflamatória pélvica (DIP), por exemplo, que afeta útero, ovários e tubas uterinas, tendem a causar a formação de aderências, comprometendo a fecundação e o desenvolvimento da gravidez. Frequentemente são provocadas por bactérias, incluindo as sexualmente transmissíveis.

Alterações no muco cervical: o muco cervical é responsável por facilitar o transporte dos espermatozoides até as tubas uterinas durante o período fértil. Processos infecciosos também podem causar alterações, dificultando o transporte dos gametas masculinos.

Causas da infertilidade masculina

Alterações nos espermatozoides: alterações nos gametas masculinos são consideradas a principal causa de infertilidade masculina, entre elas estão a diminuição na produção, anormalidades na morfologia, motilidade e no DNA, assim como a ausência deles no sêmen ejaculado (azoospermia).

Desequilíbrios hormonais: desequilíbrios nos níveis dos hormônios envolvidos no processo reprodutivo, incluindo a gametogênese, pelo qual ocorre a formação dos gametas masculinos, provocam a diminuição ou interrupção na produção.

Problemas testiculares: danos nos testículos também podem afetar a fertilidade masculina. Normalmente são provocados por defeitos congênitos, traumas, infecções, cirurgias ou tumores.

Problemas na função sexual: dificuldades para manter a ereção (disfunção erétil) e distúrbios ejaculatórios são uma causa comum de infertilidade masculina.

Além dessas condições, a fertilidade pode ser comprometida, da mesma forma, por distúrbios genéticos, como anormalidades nos cromossomos dos gametas (óvulos e espermatozoides), que podem ser herdadas ou ocorrer como consequência do envelhecimento, em que naturalmente há diminuição na qualidade.

Como a infertilidade é diagnosticada?

Os primeiros exames indicados para avaliação da fertilidade são a avaliação da reserva ovariana, que determina a quantidade dos folículos antrais (folículos capazes de se desenvolver e ovular), e o espermograma, que analisa a qualidade seminal e critérios como concentração, morfologia e motilidades dos gametas masculinos.

Em ambos os casos, são realizados testes hormonais, para analisar os níveis dos hormônios sexuais, o rastreio de bactérias, incluindo as que são transmitidas por via sexual, que podem levar ao desenvolvimento de processos inflamatórios, e de distúrbios genéticos, se houver suspeita de a infertilidade ser causada por doenças genéticas ou anormalidades cromossômicas.

Exames de imagem avaliam o funcionamento dos aparelhos reprodutores femininos e masculinos e detectam alterações, como anormalidades uterinas, obstruções nas tubas uterinas ou alterações nas estruturas testiculares.

Se as possíveis causas de infertilidade não forem detectadas, a infertilidade é diagnosticada como sem causa aparente (ISCA).

Os resultados diagnósticos contribuem para indicar a abordagem terapêutica mais adequada em cada caso.

Como é realizado o tratamento para infertilidade pelas técnicas de reprodução assistida

As técnicas de reprodução assistida são o tratamento padrão para infertilidade feminina e masculina e podem ser de baixa ou de alta complexidade.

As de baixa complexidade são a relação sexual programada (RSP) ou coito programado e a inseminação artificial (IA), em que a fecundação ocorre naturalmente, nas tubas uterinas. Já a FIV (fertilização in vitro) é considerada de alta complexidade, pois a fecundação ocorre em laboratório, in vitro.

Técnicas de baixa complexidade

A relação sexual programada e a inseminação artificial são indicadas para mulheres com até 35 anos, que tenham as tubas uterinas saudáveis, com problemas de fertilidade causados por distúrbios de ovulação, endometriose mínima ou leve.

Na relação sexual, entretanto, os espermatozoides também devem estar saudáveis, uma vez que o procedimento tem como principal objetivo programar o momento mais adequado para que a fecundação ocorra.

Já a inseminação artificial, por outro lado, permite o tratamento quando há pequenas alterações nos gametas masculinos, nos casos em que a infertilidade é provocada por problemas na função sexual e quando há alterações no muco cervical.

Fertilização in vitro (FIV)

A FIV, de alta complexidade, é indicada quando há obstruções nas tubas uterinas, problemas mais graves de infertilidade feminina ou masculina, para mulheres acima dos 35 anos e se não houver sucesso nos tratamentos anteriores.

O procedimento é realizado em diferentes etapas, que preveem desde a coleta e seleção dos melhores gametas (óvulos e espermatozoides), à fecundação, cultivo embrionário e transferência do embrião para o útero. Todo o processo é acompanhado por uma equipe altamente qualificada.

Um conjunto de técnicas complementares contribuem, ainda, para solucionar diferentes problemas que podem causar dificuldades para o desenvolvimento da gravidez.