Reversão de laqueadura » Instituto Afeto

Reversão de laqueadura

A reversão de laqueadura é um procedimento indicado para mulheres que passaram por esterilização cirúrgica, mas que mudaram de decisão, depois de algum tempo, e desejam ter outros filhos. Antes de explicar como é realizada a cirurgia de reversão, vamos esclarecer o que é a laqueadura.

Ligadura das trompas, laqueadura e ligadura tubária são termos sinônimos para fazer menção à técnica cirúrgica de contracepção feminina definitiva. Com esse procedimento, a mulher tem suas tubas uterinas obstruídas, de modo que os espermatozoides não tenham acesso aos óvulos para fecundá-los.

As tubas uterinas, antigamente conhecidas como trompas de Falópio, são órgãos de importância ímpar no sistema reprodutor feminino. São formadas por dois tubos que se estendem dos ovários até o útero. 

Após a ovulação, o óvulo permanece por aproximadamente um dia na tuba, onde é encontrado e fecundado pelo espermatozoide, dando origem ao embrião, que segue em direção ao útero. 

Com a cirurgia de ligadura, as trompas são bloqueadas ou cauterizadas. A obstrução tubária, portanto, impede que espermatozoides e óvulos se encontrem e anula as possibilidades de gravidez. Por outro lado, a reversão de laqueadura é realizada com a finalidade de reconectar as partes separadas das tubas e permitir que os gametas se encontrem para que a concepção aconteça.

Como o procedimento é realizado

A reversão de laqueadura é possível em alguns casos. Não é reversível quando houve a retirada completa das tubas ou se houver danos nas fímbrias, porção final das tubas que captura o óvulo do ovário. Cada procedimento de reversão é realizado de acordo com o método cirúrgico utilizado na obstrução — uso de fio cirúrgico, clipes/grampos, anel de silicone ou eletrocoagulação.

A cirurgia de reversão, chamado de reanastomose tubária, é considerada um procedimento complexo e requer habilidade e experiência do profissional que a executa, uma vez que se trata de uma microcirurgia. A operação é feita por laparotomia ou, preferencialmente, por laparoscopia — técnica minimamente invasiva e com melhor restabelecimento da paciente. 

A laparotomia corresponde à cirurgia tradicional, em que é feita uma incisão no abdômen da paciente para que o cirurgião tenha acesso às trompas. A videolaparoscopia, por sua vez, utiliza microcâmeras com fibra óptica, que permitem inspecionar o interior do corpo a partir de incisões de 0,5 a 1 cm. Todo o procedimento é projetado em uma tela. 

Para o sucesso da reversão, é importante que as tubas ainda apresentem condições viáveis para sua função e que as fímbrias estejam intactas — estas são caracterizadas por prolongamentos presentes na extremidade distal de cada trompa, e fazem ligação com os ovários.

Durante o procedimento, a cicatriz da laqueadura é removida para favorecer a irrigação sanguínea da região. Também é utilizado um líquido com corante azul, que permite observar a abertura das tubas. Ao localizar as partes obstruídas, o cirurgião recanaliza as trompas com microssuturas. 

Pós-operatório e possíveis complicações

A operação de reversão de laqueadura pode durar cerca de 3 horas e a paciente permanece internada, na maioria dos casos, por 1 dia apenas. No período de recuperação, que leva aproximadamente quatro semanas, é recomendado que a mulher não tenha relações sexuais e não pratique atividades físicas de média e alta intensidade. 

Ainda que os riscos sejam mínimos, podem surgir alguns problemas posteriores à cirurgia, como:

Indicações da reversão de laqueadura

A indicação de desobstrução tubária é feita mediante avaliação das condições de fertilidade do casal. Esse cuidado pré-operatório é necessário para garantir que a paciente terá chances reais de engravidar após passar pelo procedimento cirúrgico. 

Para isso, são avaliados os seguintes fatores femininos e masculinos:

Chances de êxito e alternativas de tratamento

Existe uma série de variáveis que determinam os resultados bem-sucedidos da reversão de laqueadura. Alguns pontos que se destacam são: a idade da paciente, o intervalo de tempo entre a ligadura e a recanalização das tubas, o método utilizado na esterilização e se foi possível religar uma ou as duas tubas. Em geral, quanto melhores as condições de fertilidade do casal, maiores são as chances de êxito. 

Estudos identificam um índice de gravidez de quase 70% em pacientes que passaram pelo procedimento, mas, para chegar ao prognóstico correto, é necessário avaliar cada caso em profundidade e individualizar as indicações. 

A FIV (fertilização in vitro) é recomendada como alternativa de tratamento nos casos em que a reversão de laqueadura não apresenta os resultados esperados — ou não pode ser feita em razão dos danos causados às tubas durante a esterilização cirúrgica. 

Na FIV, os espermatozoides fertilizam o óvulo em ambiente laboratorial. Depois dos primeiros dias de cultivo, o embrião é transferido diretamente para o útero. Essa técnica encurta o caminho percorrido pelos gametas e independe da função das tubas uterinas. 

A reversão de laqueadura, portanto, é um procedimento indicado a partir da avaliação de diversos fatores. No entanto, ainda que a cirurgia de recanalização não seja a melhor opção para a paciente, as técnicas de reprodução assistida têm boas chances de sucesso.